Aguinaldo Severino is also a blogger

Friday, January 05, 2007

um outro blog

Ano-Bom para todos (se é que isto é possível nestes tempos bicudos).
Resolvi postar minhas resenhas dos livros lidos deste ano em um blog diferente (se for o caso dê uma olhado no http://guinamedici.blogspot.com ). Bom divertimento.

Sunday, December 31, 2006

último livro do ano


Meu pai ganhou de presente de Natal, leu e deixou bobeando em cima da escrivaninha. Mesta época você lê o que tiver a mão, repetidas vezes, e eis que eu me pus também a ler o Veríssimo. Muitos dos contos são conhecidos antigos, do jornal, outros são novidades ou coisas que deixei passar. Ele domina este formato, a crônica/conto do cotidiano, rápida, sem muito acabamento ou preocupação. Li sem medo e acabei antes do ano acabar. O ano vai começar e quero deixar a escrivaninha limpa (como meu pai está a fazer).

Sunday, December 24, 2006

Livros de dezembro 2



Rubem Fonseca lançou a pouco mais um de seus livro de contos curtos. O resultado me parece irregular. Em que pese o fato de muitos dos contos serem fortes, dentro do estilo que ele mesmo ajudou a criar e consagrar, alguns parecem perdidos. A união entre os contos envolve o fato de sempre haver um protagonista feminino central nas tramas. Nos contos onde o assassino de aluguel aparece estamos com o velho estilo de Rubem Fonseca nas mãos (mas nestes a protagonista feminina é em geral fraca). É um livro para se ler entre este Natal e o Ano Novo, ou melhor, para se ler entre um brinde e outro do Natal ou do Ano Novo, sem maiores preocupações. Paciência.

Livros de dezembro


George Orwell é conhecido por livros como "a revolução dos bichos" e "1984". Antes do início da carreira literária ele experimentou uma aventura jornalística que envolveu mendigar e viver no limite da pobreza tanto em Paris quanto na Londres do início do século passado. Esta experiência gerou "Na pior em Paris e Londres", recém publicado pela companhia das letras. Qualquer um que tenha ilusões sobre a forma de combater a pobreza (os cínicos e os hipócritas invariavelmente as têm) deveria ler este livro. Muito pouca coisa na "engenharia" que mantém sempre um exército de desocupados em qualquer grande cidade mudou nos 80 anos passados desde sua publicação. Há que se ter um pouco de estômago para acompanhar as descrições dos hotéis baratos, albergues sujos e cruéis e restaurantes que mais parecem ante-câmeras do inferno , mas o resultado final vale a pena ser apreciado.

Wednesday, December 20, 2006

Meus esportes de verão 2


Dificilmente haverá um jogo tão mental quanto o golf. Ok, xadrez é um jogo puramente mental e se presta metáforas variadas. Mas o golf é um esporte que eu jogo mentalmente há anos, ou melhor, desde quase sempre. No mundo real dá gosto de ver Tiger Woods aparentemente pouco se esforçando fisicamente para ganhar um título atrás do outro enquanto seus adversários são derrubados por sua precisão. Belo jogo.

Meus esportes de verão 1

Sou um jogador exímio de sumô. Todavia jogo uma variante do tradicional e milenar esporte japonês. Gosto mesmo de jogar sumô-intelectual. Diferentemente da matriz japa não é necessário comer muito "chanko-nabe", nem ser um quase escravo por anos em uma "beya". No sumô intelectual você simplesmente expulsa do teu "dohyo" o oponente de plantão. À semelhança com o jogo original muitas regras devem ser seguidas, mas nada que fuja do razoável bom senso e do cavalheirismo básico. Minha regra é a seguinte: nunca se explique, nunca se desculpe. Passar bem.

Come on Eileen


Fui a uma festa no sábado e achei esta música. Melhor ainda, achei esta música em um desvão de meus guardados cerebrais. Ela fez um sucesso dos diabos no início dos anos 80 (quem já havia sido gerado então?) Passei estes últimos dias cantarolando esta música (divertido). Aquele alemão que insiste em invadir meu cérebro deve achar mais divertido, mas eu arrumo trabalho para você não é mesmo Alzhie?

Saturday, December 16, 2006

O nome da rosa turco


Meu nome é vermelho prende a atenção pois dois assassinatos são cometidos e você quer saber quem é mesmo o autor. Amarrando as pistas e jogando o leitor para lá e para cá está Ohran Pamuk, prêmio Nobel de literatura deste ano. Literatura da melhor qualidade. Vale mesmo a pena ler este livro.

Friday, December 15, 2006

Dica para aproveitar o recesso


Gostei deste livro. É algo para se pensar nestas férias (ou seria apenas um recesso de natal)
O autor é o Ohran Pamuk, ganhador do prêmio Nobel deste ano (de literatura, claro!, o de física eu colocarei em outro post).
Neste livro há um debate interessante entre o mundo ocidental e o mundo oriental, um tema super atual.
Bom divertimento.

Wednesday, July 26, 2006

amseverino

Blog (em inglês) muito bom.
http://www.scienceblog.com/cms/index.php

amseverino